momento certo

Por várias vezes e de forma errada tenho referido que em alguns e raros momentos sou um fotografo parasita. Mas numa análise mais aturada, o termo está errado, porque parasita é todo aquele fotografo que fazendo os seus registos, tenta, de uma forma falsamente subtil, obstruir o trabalho de outros fotógrafos que no mesmo espaço exercem a mesma função. A de reportar o momento. E quanto mais experientes são alguns desses parasitas, mais afincada é essa atitude, relegando o profissionalismo para o mais baixo nível ético.

Assim, e na mesma análise, devo considerar-me um fotografo oportunista, não no sentido pejorativo, mas porque uso o sentido de oportunidade. Enquanto alguém fotografa, aproveito o enquadramento e fotografo. O resultado é muitas vezes surpreendente e se de seguida continuar a fotografar, solicitando a colaboração de quem representa o papel de modelo, os resultados ficam aquém dos instantâneos da oportunidade. É o caso deste registo, onde a naturalidade é a de um momento certo na fotografia. Foi assim numa visita à XIX Bienal de Arte de Vila Nova de Cerveira, das turmas da ETAP – Escola Profissional, da vila do evento, onde os alunos usam a sua criatividade inspirada pela criatividade do artista que expõe.

You did not specify a return url in the settings
You did not specify a price in the shortcode

fotojornlista João Silva

You did not specify a return url in the settings
You did not specify a price in the shortcode

Em Viana do Castelo, nos dias 13 a 17 de abril, decorreu o Prémio Estação Imagem 2016, organizado pela associação estação imagem com a colaboração da câmara municipal de viana do castelo. O evento contou com a presença do fotojornlista João Silva, do New York Times, entre outras individualidades da fotografia, que deu o testemunho da fatalidade sofrida em cenário de guerra, numa descrição da realidade dos cenários de guerra por onde passou, bem como todo o seu processo de recuperação até regressar à vida ativa. Falou ainda das motivações que o levaram a seguir a profissão de repórter de guerra.

Apresentou diversas fotografias do seu vasto portefólio, nomeadamente as que conseguiu tirar depois de ter sido vitimado pela explosão da mina no Afeganistão.

Além da conferência foi ainda membro do júri do concurso prémio estação imagem 2016.

fotojornlista Christopher Morris

You did not specify a return url in the settings
You did not specify a price in the shortcode
You did not specify a return url in the settings
You did not specify a price in the shortcode

Em Viana do Castelo, nos dias 13 a 17 de abril, decorreu o Prémio Estação Imagem 2016, organizado pela associação estação imagem com a colaboração da câmara municipal de viana do castelo. O evento contou com a presença do fotojornlista Christopher Morris, da revista Time, entre outras individualidades da fotografia, que deu uma conferência sobre o seu trabalho. Embora conhecido pelo seu trabalho no meio fotográfico, tornou-se figura mediática pela agressão sofrida durante um acontecimento numa das campanhas de Donal Trump. No entanto é evidente que o seu trabalho está além de todo o mediatismo. E os vianenses tiveram a possibilidade de tê-lo ouvido falar sobre o seu portefólio e na primeira pessoa.