Fotografia de arquitetura

Falar de fotografia de arquitetura é na generalidade a fotografia que retrata os edifícios no seu todo e/ou no detalhe, e são muitos os fotógrafos que na sua mestria desenvolvem trabalho técnico e artístico na área.

E quando as obras de arquitetura se assemelham a obras de arte, e o fotografo explora essa arte, o resultado só pode ser surpreendente, muito mais quando quem o faz explora a luz que define sombras da luz que se projeta na paisagem e que acaba por ser usada numa mescla de fotografia de paisagem e arquitetura, onde a sensação de emolduramento na composição se faz de dentro para fora, sendo a paisagem a moldura e a arquitetura a composição. Assume a paisagem um preenchimento discreto, minimalista, tal como toda a composição.

É o que sinto ao observar o trabalho de Alberto Selvestrel e que tenho vindo a acompanhar.

Aconselho, para que aprecia fotografia de arquitetura que o siga no seu instagram ou no seu site:

Iconografia

O nosso ambiente de trabalho anda poluído com imagens das quais raramente gostamos. São as que nos são disponibilizadas e que seguem uma linha pouco coerente com o nosso gosto, mas de que raramente gostamos! Farto de um ambiente de trabalho confuso, decidi desenhar os meu ícones, numa iconografia que tem a ver comigo.

Gosto do resultado!

Problema dos incêndios

Catedráticos, especialistas, iluminados e até nabos e bacocos tem soluções para o problema dos incêndios! Políticos de hoje e políticos de ontem não se entendem numa matéria que é prioritária para o país e para os cidadãos desde há dezenas de anos. Decisões que deveriam ser consensuais e coletivas, são tomadas individualmente em nome do protagonismo egoísta, porque sou a favor, porque estou no governo e sou contra porque não estou, porque é uma ideia da oposição e não vale nada e só as ideias de quem governa é que valem! O fogo tem várias cores, mas nenhuma é partidária! O fogo rege-se pela não regra! Mas há entendidos em todas as áreas de intervenção que seguem regulamentos, estudos e até tratados, enquanto o fogo nunca estudou em nenhuma universidade! A minha opinião, talvez inserida no grupo dos bacocos é de que primeiro se estude efectivamente o fogo, a par do apuramento das responsabilidades dos que tem obrigação cuidar dos danos causados e impedir outros! Que se analisem em concreto os fogos dos últimos anos! Que se faça um trabalho exaustivo de como se comporta o fogo e o que mudou de ano para ano, mas com aqueles que estão no terreno e enfrentam diretamente o fogo, sabendo como ele se comporta. Façam das tripas coração e descubram como o acarinhar para ele amansar! Não estejam à espera que aqueles que tem o cu sentado numa cadeira, bracinhos pousados numa secretária, pensem, pensem e pensem em mais um conjunto de métodos e teorias para desenvolverem regras de papel que só servem para atear fogueiras! O fogo é real, não é teórico!
Mas não convoquem jeitosos para os tachos, convoquem gente que sabe muito sobre fogo, do partido A, B ou C, e até pode ser do D e do E, mas solucionem um problema de todos e não de uma conjuntura ou de uma disjuntura!
Lembrem-se que o fogo não é um campeonato de futebol onde existem muitos treinadores de bancada com soluções para os clubes, porque as equipas em jogo não são apenas duas! São pelo menos três: A florestas, as equipas de combate aos incêndios e as pessoas que são vitimas! Portanto não temos campos para este jogo e a existir teria que ser hexagonal para ter três balizas! Mas lembrem-se ainda que o fogo pode marcar golos na própria baliza e mesmo assim sai a ganhar, muito ou pouco, vence sempre!
Também ouvi dezer, como diz o nosso presidente, ou será presedente!? Bem, ouvi dezer que esse tal de fogo, que não tem partido, parece que também não tem outras coisas! Parece que descobriram que não tem nacionalidade, ataca em qualquer país! Ouvi dezer que também não pertence a nenhuma organização terrorista, mas espalha o terror por onde passa!
E até ouvi dezer,
vejam lá,
que nunca foi condenado,
até por já ter matada,
e sem não ser contratado,
destruindo muito legado
dos que por cá tem ficado,
até dos que tem levado.
Vejam lá a injustiça
desse fogo que é malvado,
não ter ainda existido,
lei que o deixe fechado,
sendo caso para dezer, xiça!
Agitações do cerebelo que provocam o hemisfério esquerdo contra a indiferença do hemisfério direito do cérebro de Rafael Peixoto